Quais são as taxas de sucesso da FIV?

11/06/2019

A maioria das mulheres (e casais), em determinado momento, buscam a maternidade, mas nem todas conseguem devido a problemas de infertilidade.

Por isso, técnicas de reprodução assistida são recursos importantes atualmente que ajudam esses casais inférteis ou pessoas em busca de produção independente a realizarem o sonho de ter um filho.

Uma das metodologias mais buscadas por quem quer ter um filho é a fertilização in vitro (FIV), principalmente em razão de suas altas taxas de sucesso.

Leia nosso texto e conheça quais são as taxas de sucesso da FIV, que dependem principalmente da idade da mulher que produzirá os óvulos.

Conhecendo a FIV

A FIV é uma técnica de reprodução assistida cujo objetivo é tratar a infertilidade ou possibilitar que pessoas solteiras ou casais homoafetivos possam ter filhos.

Ela consiste em fecundar o óvulo com o espermatozoide em ambiente controlado de laboratório, cultivar os embriões durante o desenvolvimento e posteriormente transferi-los ao útero da mulher.

Hoje, a FIV é um tratamento muito indicado para casais que apresentam dificuldades para engravidar. As taxas de sucesso da FIV são altas, e essa técnica de reprodução assistida é uma das que trazem os melhores resultados.

Etapas da FIV

A FIV tem 5 etapas básicas (do procedimento em si), mas diversas outras são necessárias, como a consulta com o especialista para investigação das causas e diagnóstico.

Também existem técnicas e procedimentos que podem ser indicados durante a FIV, como teste genético pré-implantacional (PGT) e teste de receptividade endometrial (ERA), de acordo com cada caso.

Suas etapas são:

  • Consulta médica;
  • Investigação da infertilidade por meio de exames específicos;
  • Estimulação ovariana (etapa 1 da FIV);
  • Punção folicular e coleta dos espermatozoides (etapa 2 da FIV);
  • Fecundação (etapa 3 da FIV);
  • Cultivo embrionários (etapa 4 da FIV);
  • Transferência de embriões (etapa 5 da FIV);
  • Congelamento de embriões excedentes (etapa obrigatória se restarem embriões);
  • Teste de gravidez.

As taxas de sucesso da FIV são altas devido a diversos fatores, inclusive de técnicas complementares, e cada casal pode ter indicações diferentes.

O processo começa na consulta médica e na investigação da infertilidade.

Com base na anamnese, o médico solicita exames específicos que oferecem resultados importantes para a avaliação da fertilidade, tanto masculina como feminina, e indicação da melhor técnica de reprodução assistida para o caso.

Se a indicação for de FIV, o casal recebe toda a orientação dos próximos passos.

Então é realizada a estimulação ovariana por meio do uso de medicamentos hormonais, que estimulam os ovários a produzirem um número maior de folículos, espécie de bolsas que contêm os óvulos.

Essa etapa é monitorada por ultrassonografias seriadas. A mulher vai à clínica periodicamente para realizar o exame. Quando os folículos atingem o tamanho ideal, a mulher recebe uma dose de hCG, hormônio que provoca a maturação dos folículos.

Cerca de 36h depois eles já podem ser retirados para a fecundação.

No momento da punção folicular é feita a coleta e a preparação do sêmen, que seleciona os melhores espermatozoides para a fecundação.

Os gametas masculinos e femininos são então manipulados no laboratório para que ocorra a fecundação. Há duas formas: clássica e injeção intracitoplasmática de espermatozoide (ICSI).

Na clássica, os gametas são colocados juntos em uma placa de cultura com meio de cultivo para que fecundem de maneira espontânea. Na ICSI, os espermatozoides são um a um injetados dentro de cada óvulo obtido.

Após a fecundação, os embriões são mantidos por alguns dias, dependendo da estratégia de transferência, em incubadoras que simulam o ambiente uterino.

Depois desse período, eles podem ser transferidos ao útero da mulher, procedimento realizado em ambiente ambulatorial, sem a necessidade de internação.

Passados cerca de 12 dias, é realizado um teste de gravidez para verificar o sucesso da técnica.

Motivos pelas quais a FIV tem altas taxas de sucesso

As taxas de sucesso da FIV são altas principalmente quando o especialista faz uma boa investigação da infertilidade e a melhor indicação não só da FIV, mas de técnicas complementares para resolver problemas específicos do casal, como o teste genético pré-implantacional, que evita uma série de alterações que podem dificultar a implantação do embrião no útero.

Para isso, é importante realizar cada um dos passos até a conclusão da técnica, iniciando com a consulta médica e terminando com o teste de gravidez e início do pré-natal.

Atualmente existem diversos estudos que visam acompanhar as taxas de sucesso da FIV.

Os mais diferentes tipos de levantamentos científicos demonstram que a FIV possui altas taxas de sucesso, principalmente de acordo com a idade da mulher.

Fatores que interferem nas taxas de sucesso da FIV

Os principais fatores que podem atrapalhar e/ou reduzir as taxas de sucesso da FIV são:

  • Causas da infertilidade;
  • Idade da mulher.

Na FIV, casais podem fazer uso de óvulos ou espermatozoides doados que sejam mais compatíveis à vida do que seus próprios gametas, que são as principais causas de infertilidade em homens e mulheres no mundo do todo.

Além disso, é preciso levar em consideração a idade da mulher. As chances de sucesso diminuem a partir dos 35 anos.

Técnicas complementares que aumentam as chances de sucesso da FIV

Outras técnicas podem potencializar e consequentemente aumentar as taxas de sucesso da FIV. As principais são:

  • Doação de gametas e embriões;
  • Teste genético pré-implantacional;
  • Criopreservação;
  • Teste de receptividade endometrial;
  • Hatching assistido.

Dessa forma, de modo gera, pode-se dizer que as taxas de sucesso da FIV giram em torno de 40%.

Agora que você já sabe quais são as taxas de sucesso da FIV, te convidamos a compartilhar esse conteúdo em suas redes sociais para que mais casais que têm o desejo de ter filhos saibam como é possível alcançar esse sonho.

Compartilhe nas redes sociais!